Adsense Cabeçalho

PiTacO do PapO - 'The Sisters Brothers' | 2019

NOTA 8.5

Por William Weck @filmenamente


É curioso notar um gênero tão apreciado meio século atrás perder seu prestígio e visibilidade no cenário atual. Estamos diante do Western, este outrora aclamado, mas hoje cada vez mais raro de se encontrar nas grandes telas do cinema. Por essas e outras, poucos ouviram falar de ‘The Sisters Brothers’ e infelizmente muitos estão deixando de apreciar essa belíssima obra do cultuado diretor Jacques Audiard.

Ambientado na década de 1850, em Oregon – período da Febre de Ouro - os irmãos Charlie Sister (Joaquin Phoenix) e Eli (John C. Reilly) trabalham como atiradores de um comodoro e tem a missão de encontrar o químico Warm (Riz Ahmed), responsável por desenvolver uma formula capaz de detectar ouro nos rios. Porém, os planos mudam quando o investigador e atirador Morris (Jake Gyllenhaal) entra a jogada. 
A direção assinada pelo excelente cineasta francês Jacques Audiard (conhecido por não ter um filme ruim/mediano em seu currículo) foge dos padrões do Western clássico para imprimir a sua forte autoria. Provando de vários recursos cinematográficos para conduzir a trama, como tracking-shots, grande angular nos campos abertos, cenas em câmera-lenta capturadas por uma fotografia sob efeito de vinheta, prospectiva onírica sensacional e com um forte tom noir, reflete o estilo de sua direção. Sendo assim, Audiard propõe novos conceitos ao gênero e reforça a narrativa pela construção da dicotomia presente em todos os personagens.   

Cada personagem representa um lado diferente da América caracterizado por personalidades fortes. O ator Joaquin Phoenix entrega uma brilhante atuação dando  vida ao sanguinário e cabeça quente Charlie, enquanto seu irmão interpretado por John C. Reilly é seu contraponto perfeito, sendo um homem atemporal e a voz da razão. Já na outra dupla, Jake Gyllenhaal , um pessimista com a sociedade, em contrapartida Riz Ahmed crê na evolução da sociedade e em seus futuros projetos. O quarteto entrega grandes atuações, das melhores vistas no ano até o momento. 
E os elogios não param por aí, a construção da época fornece ao espectador o prazer de vivenciar ao lado dos personagens o período da Febre de Ouro. A maquiagem ante aos corpos inchados e queimados merecem ser ressaltados, e a belíssima cinematografia mereceria indicações a futuras premiações, quem sabe?! 

Sem a necessidade das aproximadamente duas horas, ‘The Sisters Brothers’ (ainda sem título nacional) é um raro Western no cenário atual que merecia maior divulgação e visibilidade para aqueles que não apenas sentem saudade do gênero, mas também para todos que apreciam o que de melhor o cinema tem a oferecer. 


Vale Ver !




Nenhum comentário